Discurso: “PRECISAMOS DE ADRENALINA AUTOINJETÁVEL NO BRASIL”

No discurso desta tarde, tratei da importância da adrenalina autoinjetável ser disponibilizada no Brasil, pois a anafilaxia é uma doença aguda, grave e potencialmente fatal.

 

Confira o discurso na íntegra:

Senhor Presidente, senhoras e senhores deputados.

PRECISAMOS DE ADRENALINA AUTOINJETÁVEL NO BRASIL

A anafilaxia é uma doença aguda, grave, potencialmente fatal onde há risco de morte caso a pessoa não seja imediatamente tratada com adrenalina.

A adequada utilização da epinefrina (ou adrenalina) sob forma autoaplicável é, de maneira bastante comprovada na literatura médica, um dos divisores entre sobreviver ou não a uma crise de anafilaxia. As causas da doença são mecanismos de hipersensibilidade a vários desencadeantes, como ferroadas de inseto, alimentos, medicamentos, exposição a látex, etc., atingindo pessoas de todas as faixas etárias, de ambos os sexos. O quadro clínico pode ser dramático, com “urticária gigante” geralmente acompanhada de angioedema (inchaço), comprometimento respiratório (como falta de ar, chegando a insuficiência respiratória), sintomas gastrointestinais (cólicas, vômitos e diarreia agudos) e comprometimento cardiocirculatório, com hipotensão e choque, sendo que em questão de minutos o paciente pode evoluir para morte.

O tratamento da crise anafilática deve ser imediato.

A adrenalina autoinjetável é disponibilizada na maioria dos países nesta apresentação. Sua aplicação é bastante simples e mesmo pessoas não habilitadas conseguem utilizar a medicação de forma segura. A prescrição de adrenalina na forma de ampolas, delegando ao paciente ou familiar a preparação da dose correta e aplicação com técnica da injeção intramuscular é altamente indesejável, especialmente numa situação de estresse e emergência.

Daí a grande importância da epinefrina (adrenalina) autoinjetável que apesar de extremamente importante, ainda não é disponibilizada no Brasil.

Os brasileiros com anafilaxia não dispõem hoje de tratamento adequado! São obrigados a importar a medicação a preços elevados e enfrentam dificuldades burocráticas para aquisição da mesma.

Por motivos alheios a nossa vontade as empresas fabricantes desse medicamento não solicitaram ainda sua licença para comercialização no Brasil, alegando que há muita burocracia para tal. Entretanto, os brasileiros portadores de anafilaxia não podem ficar sem tal medicamento.

Na quinta-feira passada, dia 9, estive pessoalmente com o Ministro da Saúde, deputado Ricardo Barros tratando desse assunto e acompanhado da Drª Elaine Gagete Miranda da Silva (Doutora em Alergia-Imunologia pela USP-São Paulo, Coordenadora do Grupo de Anafilaxia e Membro da Academia Americana de Asma, Alergia e Imunologia) entregamos um abaixo-assinado com 12 mil assinaturas relacionado a oferta do medicamento adrenalina autoinjetável.

Como citado anteriormente, a adrenalina (epinefrina) é essencial para reverter o quadro clínico e deve ser aplicada pelo próprio paciente, familiar ou por alguém disponível no local, já aos primeiros sinais da reação anafilática. A demora em sua aplicação pode significar um prognóstico mais sombrio, com maior chance de não reversão dos sintomas.

JUTAHY JUNIOR

Deputado Federal PSDB-BA